fbpx

Aprenda como definir um planejamento de mídias sociais do seu negócio

Aprenda como definir um planejamento de mídias sociais do seu negócio

Hoje, já é senso comum que todo mundo precisa, no mínimo, estar presente nas mídias sociais e gerar conteúdo. Porém, como Henry Jenkins vem nos elucidar em sua obra Cultura da Convergência, estamos na era das multitelas, as diversas plataformas que disputam nossa atenção. A era da comunicação participativa, em que o receptor é também produtor de conteúdo e participa ativamente desse processo. Para além disso, temos que disputar atenção do espectador dentro de uma mesma tela, entre um e outro aplicativo, entre um ou outro conteúdo.

por Grabriela Cavalcanti | Agosto 06, 2019

Facebook
Twitter
LinkedIn
Instagram

Neste momento você deve estar aflito e confuso pensando “nossa, e como faço então para conquistar a atenção do meu consumidor em potencial?”. Calma, vai ficar tudo bem! Fórmulas mágicas de fato só existem nas histórias de ficção que lemos nos livros ou vemos nos filmes, mas com estudo e trabalho duro é possível sim chegar lá.

Então, vem comigo, que eu estou aqui para te explicar como você pode montar um planejamento de mídias sociais para o seu negócio e se destacar em meio a esse oceano de estímulos e conteúdos.

 

Mas Gabi, que tal começar pelo começo? Claro! A intenção aqui é ser o mais didática possível. Por isso, vamos voltar um pouco e entender primeiro o que é um planejamento de mídias sociais e qual a sua importância, ok?

Um planejamento de mídias é um direcionamento estratégico do conteúdo que será gerado em cada mídia em que a empresa está presente: Instagram, Facebook, LinkedIn, Youtube ou qualquer outra. Assim, o planejamento contém um estudo do público, do mercado e de tudo que envolve a empresa, neste sentido, vemos que quanto mais profundo e detalhado for esse estudo mais assertivo será o conteúdo gerado.

Isso acontece porque as pessoas que estão nas mídias sociais, como falei lá no começo, tem que escolher dentre várias opções de conteúdo. Então, quanto mais você entender o seu público, souber o que ele gosta, como ele pensa, se ele é mais interativo ou mais passivo, se prefere ler textos ou ver vídeos, tudo isso influenciará na hora de direcionar o seu conteúdo.

Não tenha medo de mergulhar de cabeça, de buscar informações, de perguntar, se achar necessário fazer uma pesquisa de mercado, mas, tenha certeza, que quanto maior for a profundidade do seu conhecimento sobre o seu público, mais fácil será criar um conteúdo relevante, que ele gostará de consumir.

Mas Gabi, por que mesmo eu preciso criar conteúdo para fazer que meu cliente em potencial goste se meu produto não se vende nas mídias sociais? Relaxa, não tem problema não entender muito bem o porquê das coisas. Seguinte, quando você entra no seu Instagram ou Facebook, o que você busca? Relacionamentos, correto? Você quer saber o que as pessoas têm a dizer e quer poder falar também. Quer criar vínculos com quem você segue, quer que curtam o que você posta, bem como, quer ver no seu feed coisas que para você sejam relevantes.

O que muita gente não entende também é: o que é esse tal de conteúdo relevante que é tão necessário? Conteúdo relevante, nada mais é do que o conteúdo ideal para o seu público, algo que eles vão gostar de consumir, interagir, compartilhar com a galera. Por isso, é tão importante criar algo assertivo e estratégico, entende?

Agora que já te expliquei o que é um planejamento e a importância de um conteúdo bem planejado, vamos à ação! 

Hora de entender como fazer o seu próprio planejamento! Para tal, vou dividir em alguns passos, assim, tanto fica mais fácil de entender, como você pode anotar todos esses passos em forma de lista para colocar tudinho em prática depois. Mas se ficar na dúvida, volta aqui e relembra tudo, ok?

1. Conheça seu público-alvo

Como já falei bastante aqui o ponto chave de um bom planejamento é o nível de conhecimento que você tem do seu público. Mas como entender quem é ele? O primeiro passo é pesquisar. Mas nem esquenta, é mais fácil do que parece, para isso sempre existe aquele amiguinho de todas as horas: Google. Então, abre o buscador e procura encontrar pesquisas realizadas sobre o seu mercado, sobre hábitos de consumo, sobre que mídia essas pessoas que consomem seu produto ou serviço mais usam, quais temáticas mais interessam a elas. E aí, basta ir compilando todas essas informações recolhidas e ir destrinchando em um documento, numa planilha, num caderninho, ou onde for mais fácil para você acessar e lembrar.

Uma coisa muito importante é sempre se basear em dados e fatos comprovados, então deixa o achismo fora desse jogo. Abre o site do IBGE, pesquisa a idade, a renda, a localização geográfica do seu público. Nesse momento é a hora de ativar o modo stalker mesmo e sair fuçando tudo quanto for dado que possa te ajudar a traçar um perfil detalhado.

Ah Gabi, mas você explicou muito pouco sobre a criação da persona e já está pulando para o próximo tópico. Calma, galera, tem um conteúdo excelente que o Kauay escreveu sobre personas, então basta clicar aqui e abrir em outra aba para ler assim que acabar esse texto. Uma outra sugestão para auxiliar na criação da sua persona é a plataforma da Rock Content e Resultados Digitais que gera a persona para você. É bem prático e útil. Confere lá, quando acabar de ler o meu blog.

2. Estude o mercado que a empresa está inserido

Assim como entender com quem você está falando, é fundamental você saber onde está pisando. E ninguém aqui quer pisar em ovos que eu sei né. Então, estudar o mercado, as perspectivas do futuro, a situação política e jurídica que podem vir a interferir na empresa, quem já atua nele há muito tempo, os que chegaram agora, tudo é válido de saber.

Além disso, é primordial você analisar todos os pontos que enfraquecem e ameaçam o negócio, bem como, os pontos fortes e às oportunidades de mercado a serem atingidas. E, a partir disso, traçar objetivos de como melhorar os pontos fracos, como anular as ameaças e como evidenciar as forças e aproveitar as oportunidades.

Traçar objetivos é vital, de fato, e para fazer isso da melhor forma vou aqui falar o óbvio, porque é aquela máxima né, o óbvio as vezes precisa ser dito, seja objetivo. Defina-os de forma clara e nada vaga, de maneira curta, porém descrita exatamente o que precisa ser atingido.

Mas para chegar até o alvo, temos aí um caminho a ser percorrido, uma técnica a ser colocada em prática, a isso, damos o nome de estratégia. Então, depois de traçar objetivos, trace os meios que você utilizará para atingi-los.

3. Analise a comunicação da concorrência

Gabi, para quê ficar analisando a concorrência? A ideia não é fazer diferente? Sim, com certeza! Mas para ser diferente, você precisa, antes, saber o que eles estão fazendo, não concorda? Então, senta que lá vem mais um passinho.

Ativa a função stalker oficialmente agora, e vai lá olhar as mídias da concorrência, vê o que ela ta fazendo, o tipo de conteúdo que ela posta, a frequência, cutuca até o engajamento. Olha como ta hankeada no Google, se investe em mídia off, também conhecida como TV, jornal, rádio, outdoor etc.

Tudo isso vai te dar uma luz para saber o que fazer e também o que não fazer, então, tenha senso crítico na hora de entender o que serve de inspiração e o que é referencial negativo.

4. Defina a linguagem adequada

O quarto passo é bem simples se você tiver seguido todos os anteriores, principalmente o primeiro.

Ao montarmos uma persona, criamos o tom de voz da marca, isto é, a forma como ela se comunica, então nesse estágio basta você direcionar a linguagem das suas mídias para que ela esteja de acordo com o seu público alvo.

Não sei se entendi muito bem, Gabi! Certo, vou dar um exemplo que vai te ajudar. Segue aqui comigo!

Se você definiu que seu público alvo é jovem, descolado, entende memes, ama gifs e figurinhas, não adianta você falar com ele cheio de pudor e calculando todas às regras da ABNT porque ele vai achar chato, mesmo que seja um assunto que interesse ele. Então, o ideal nesse caso é, além de criar um conteúdo que ele queira consumir, fazê-lo consumir sem nem perceber o tempo que levou para aquilo.

5. Direcione o conteúdo e monte um cronograma

Por último, mas nem por isso menos importante, pelo contrário, esse é o ponto crucial: direcione o conteúdo de forma estratégica e monte um cronograma.

Não entendeu? Vamos devagar então! Depois de criar a persona, traçar objetivos e estratégias agora você precisa alinhar o conteúdo a tudo isso. Assim, você precisará deixar claro o tipo de conteúdo que será realizado, vinculando cada um a uma estratégia e um objetivo. Desta forma, você cria conteúdo relevantes e assertivos.

Uma ótima forma de organizar isso é criar uma planilha. Lá, você coloca a estratégia correspondente, a temática do conteúdo e a data em que ele deverá ser veiculado. Ah, e é importante também colocar em qual mídia aquele conteúdo deve ser veiculado.

Se for o caso, você pode ainda acrescentar uma coluna falando se o post será orgânico ou pago e colocar ao lado o investimento necessário para este post.

E é isso, agora você já é quase tão especialista quanto a gente!

planejamento de midias sociais

E lembrem-se: bateu o desespero? Ficou com dúvida? Basta entrar em contato com a gente, aqui pelo nosso site, telefone, ou em nossas mídias sociais. Leu tudo, entendeu, mas não faz ideia de como aplicar nada disso? Então vem cá, cola na gente que podemos fazer tudo isso e muito mais pela comunicação da sua empresa.

By | 2019-08-06T17:02:33+00:00 August 6th, 2019|Categories: Marketing, Notícias|0 Comments

About the Author:

Leave A Comment

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial